jan 22, 2022
157 Visualizações
0 0

Afinal, qual o Brasil que queremos?

Escrito por

Há cerca de 3 anos uma reportagem dizia que “ser ‘patriota’ nunca esteve tão na moda no Brasil” e, em via transversa, nesse ano, por ocasião das comemorações do 7 de setembro, foi divulgada uma pesquisa que afirmava que a maioria dizia “ter mais vergonha do que orgulho de ser brasileiro”¹, vergonha que, na verdade, está muito atrelada ao momento atual que o País atravessa, seja no campo esportivo, social, econômico, mas, muito em especial, em relação ao campo político-governamental. Por certo que o orgulho do brasileiro sempre guardou relação com os ídolos do esporte e as belezas naturais do povo e dessa terra tão abençoada, afinal, sempre foi motivo de orgulho de todo cidadão brasileiro vestir uma camisa verde e amarela e sair pelo Mundo causando inveja em todos aqueles que tinham que assistir do outro lado da torcida nomes como Pelé, Garrincha, Romário, Ronaldo Fenômeno, Ronaldinho. Ah! Quanto orgulho de ser brasileiro! Quem não se lembra da Seleção do tetra e, depois, pentacampeã mundial de futebol?! Quem não se lembra das meninas do volley, da seleção de Bernardinho?! Quem não se lembra do volley masculino, campeão mundial e olímpico?! Quem não se lembra da seleção campeã mundial de futsal e o gigante Falcão?! Quem não se lembra da seleção campeã mundial de futebol de areia?! E quem poderia esquecer do verdadeiro mito nacional, Ayrton Senna da Silva?! Eram muitos os motivos que nos faziam encher o peito e dizer, para todo o Mundo ouvir, “eu sou brasileiro”, incluindo o fato de sermos o único no Mundo a termos: a maior floresta urbana; a maior floresta, a Amazônia; sermos um dos maiores produtores de petróleo; termos o povo mais acolhedor; as mulheres mais bonitas; a maior costa marítima; sermos o povo mais criativo; as maiores belezas naturais; a cidade maravilhosa; o Carnaval; as praias mais bonitas; e, além de tudo isso, por tantas bênçãos, termos a absoluta certeza de que Deus é brasileiro. No entanto, há alguns anos que o brasileiro perdeu todo esse orgulho e prazer de ser quem realmente é. Muitos creditam tal fato a perda de qualidade da seleção brasileira, principalmente após a derrota para a Alemanha, por 7 x 1, na semifinal da Copa do Mundo de 2014, que foi certamente um balde de água fria na confiança do povo tão aficionado pelo futebol. Fato é que, embora esse fosse um fator muito impactante da relação do brasileiro com o verde e amarelo, com as manifestações de rua, pós processo do Mensalão e Lava-Jato, contrários as cores do partido que estava no poder, o vermelho do PT, inflados pelo impeachment da ex-Presidente Dilma, o verde e amarelo foi, de certa forma, absorvido por aqueles que buscavam o poder nas eleições de 2018 e que hoje são os atuais governantes, movimento que fez com que, diante de todas as mazelas que atravessamos e pela repercussão negativa da política econômica e governamental, em especial a política externa, o brasileiro deixasse de se reconhecer como um cidadão verde e amarelo. Esse movimento que encampou as cores da bandeira nacional fez com que grande parte da população passasse a se sentir incomodadas por utilizar tais cores, pelo simples fato de haver uma comparação ou, ainda, uma espécie de aprovação, pelo que atualmente acontece ao nosso País, transformando o que antes era motivo de orgulho em uma verdadeira vergonha nacional. O verde e amarelo virou sinônimo de um pequeno grupo que contradiz o verdadeiro significado de ser brasileiro. Diante desse cenário, por tudo o que somos enquanto povo e nação, pela certeza de que as instituições são muito superiores a qualquer pessoa, é que precisamos refletir e olharmos adiante com o coração pulsante e a esperança de que dias melhores virão, mas sempre com a consciência crítica e questionadora sobre qual o Brasil que queremos.
*Amilton Augusto – Advogado especialista em Direito Eleitoral e Administrativo. Contato: https://linktr.ee/dr.amilton

Etiquetas do artigo:
· ·
Categorias de artigos:
Artigo
banner

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

The maximum upload file size: 100 MB. You can upload: image, audio, video, document, text, other. Links to YouTube, Facebook, Twitter and other services inserted in the comment text will be automatically embedded. Drop file here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Bem vindo a Tribuna do ABCD

Tribuna do ABCD