banner
jan 21, 2017
2283 Visualizações
0 0

Aos primeiros 15 dias na administração, prefeito auricchio, em audiência pública revela

Escrito por
banner
Auricchio apresentou um panorama da situação da Prefeitura

Auricchio apresentou um panorama da situação da Prefeitura

O prefeito de São Caetano do Sul apresentou, no último dia 19, um panorama da situação financeira e fiscal da Prefeitura, em audiência pública realizada no auditório do DAE (Departamento de Água e Esgoto). O 1º Balanço de Governo traz dados levantados nos primeiros 15 dias de administração. “O que encontramos é preocupante. É uma situação que impacta na vida das pessoas e da cidade”, afirmou o prefeito José Auricchio Júnior. A apresentação trouxe números sobre um orçamento superestimado e informações prévias a respeito de contratos irregulares e ilegais, além das medidas que estão sendo tomadas para se retomar a saúde econômica do município. Para se entender o panorama geral, o chefe do Executivo explicou que o orçamento previsto para 2017, em torno de 1,3 bilhão, foi superestimado pela gestão anterior. “Trazendo para a realidade, a arrecadação deverá ficar em cerca de R$ 850 milhões. Além disso, já temos 60% do orçamento comprometido com folha de pagamento e mais 50% com custeio. Ou seja, começamos o ano com 10% de déficit e sem nenhum centavo para investimentos”, disse. A primeira medida para sanar esse problema foi o contingenciamento de 21% do orçamento, assim, com cortes, ajustes e revisão de contratos, o objetivo é readequar os gastos dentro do limite estipulado. “Estamos aqui para trabalhar, não para chorar”, avisou Auricchio.
Saúde – Uma das áreas em que foram encontradas mais irregularidades é a Saúde. No programa Terceiro Turno, por exemplo, há casos de plantões pagos mas não realizados e outros de altos valores. “Foi verificado que a Prefeitura pagava até R$ 2.000 pelos plantões noturnos, porém os médicos recebiam entre R$ 400 e R$ 500. E o pior: sem nenhum contrato ou vínculo entre Prefeitura e médicos”, explanou. Gravidade também foi encontrada no caso dos medicamentos, com superfaturamentos de até 500%, além do desabastecimento da rede. Já há R$ 2,7 milhões de títulos protestados em compras de remédio. E o laboratório de análises clínicas ficando cinco meses sem receber pagamentos pelo serviço.
Tecnologia da Informação – Outra área crítica é a da Tecnologia da Informação (TI). Já foram identificados e enviados à Controladoria contratos superfaturados e pagamentos milionários realizados por serviços não executados.
Exonerações – “Nunca vi uma situação como essa. É inimaginável o excesso de servidores. Em alguns setores, que antes operavam com oito funcionários, havia 45 contratados”, explanou o prefeito. O número de terceirizados saltou 150% nos últimos quatro anos. A medida imediata foi a exoneração de 1.300 funcionários, sem prejuízo da qualidade dos serviços. Além disso, foi determinado o congelamento de 30% dos cargos comissionados.
Educação – Na Educação, o maior problema encontrado inicialmente foram as férias e abonos relativos a 2016, não arcados pela gestão anterior. Neste ano, a Prefeitura terá de assumir 15 folhas de pagamento da área (12 meses de salários, 13º e as férias de 2016 e 2017). Quanto ao abono, o prefeito se reuniu com uma comissão de professores, em que definiram o estabelecimento de uma programação de pagamentos até o fim do mês.
Dae – No DAE foi encontrado pagamento irregular na ordem de R$ 20 milhões, entre novembro de 2015 e setembro de 2016, a título de reembolsos sem lei autorizativa. Além disso, pagamento de R$ 8 milhões a um projeto com apenas uma empresa participante da licitação.
Tarifa de Ônibus – Nos últimos dias da gestão passada, foi concedido aumento na tarifa de ônibus (de R$ 3,70 para R$ 4,10) sem embasamento técnico-jurídico. “Totalmente fora de sincronia com as demais cidades da região”, disse o prefeito. O reajuste foi suspenso por tempo indeterminado na semana passada. Além disso, também foi assinada a renovação do contrato com a empresa de transporte por mais 10 anos. O problema é que o contrato ainda tinha vigência até o fim de 2017 e está julgado como irregular desde 2013 pelo Tribunal de Contas.
Carros Devolvidos – Ao assumir a Prefeitura, a atual gestão deparou-se com uma frota de 120 veículos locados em três empresas distintas. Alguns contratos previam a inclusão de dois motoristas por carro. Como medida urgente, 30% dessa frota (43 veículos) foram devolvidos, gerando uma economia de cerca de R$ 12 milhões ao ano, ou quase R$ 50 milhões ao longo da gestão.

Categorias de artigos:
Cotidiano · Destaque
banner

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

The maximum upload file size: 20 MB. You can upload: image, audio, video, document, text, other. Links to YouTube, Facebook, Twitter and other services inserted in the comment text will be automatically embedded. Drop file here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Bem vindo a Tribuna do ABCD

Tribuna do ABCD