jan 30, 2021
393 Visualizações
0 0

Cooperativa de Consumo (Coop) instala biodigestor que transforma resíduos alimentares em água

Escrito por
banner

No Brasil, cerca de 2,2 mil municípios possuem aterros sanitários e muitos deles já dão sinais de saturação, como é o caso da cidade de São Paulo. De acordo com dados da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), em menos de 10 anos, a maior cidade do país não terá para onde enviar seu lixo. Preocupada e atenta aos problemas ambientais, a Coop está fazendo a sua parte e tornou-se a primeira rede do varejo brasileiro a implantar em sua loja equipamento capaz de transformar resíduos alimentares em água residual para descarte no sistema de esgoto sem qualquer prejuízo ao meio ambiente. Esta ação é uma das várias iniciativas que compõem a plataforma de sustentabilidade Coop Faz Bem.
Instalado na loja Joaquim Nabuco, no centro de São Bernardo do Campo para ser estudada a viabilização de implantação em outras lojas da Coop, o equipamento possui tecnologia importada do Canadá e segundo Adalberto Correia dos Santos Júnior, coordenador do Sesmtma (Sistema Especializado em Segurança, Medicina do Trabalho e Meio Ambiente), o biodigestor chamado Orca lança mão de um processo de digestão aeróbica para decompor os alimentos.
A água resultante do processo flui diretamente pelo encanamento, reduzindo os resíduos orgânicos coletados e transportados diariamente para o aterro sanitário, gerando não apenas redução de custo para a unidade, mas uma série de outros benefícios ao meio ambiente e à comunidade. “O uso da tecnologia é parte de um projeto de melhoria no gerenciamento de resíduos que vem sendo implantado nas lojas da Cooperativa desde o ano passado e que já apresenta resultados pra lá de expressivos”, declara Santos Júnior.
“O trabalho está baseado na reciclagem, doação e destinação correta”, explica o técnico de segurança do trabalho Leonardo Pimenta, integrante da equipe do Sesmtma e um dos responsáveis pelos projetos de gestão de resíduos. Na prática, significa um olhar mais atento e consciente à tarefa de separação dos materiais. O projeto, que já está em fase de conclusão em 17 lojas, três a mais do previsto inicialmente, se estenderá para as demais unidades em 2021. “É um caminho sem volta”, destaca.
A Orca traz uma conjunto de benefícios que vão além da redução de custos, como melhoria no fluxo de trabalho (o equipamento dispensa o carregamento dos resíduos aos coletores da loja e, por tabela, diminui o risco de acidentes); prevenção de pragas (a eliminação de resíduos na fonte evita sua decomposição no local, reduzindo os odores e a presença de pragas); redução das emissões de CO²  (com menos resíduos depositados em aterros sanitários, os caminhões de lixo são mantidos fora das estradas, evitando assim emissões de gases de efeito estufa e congestionamentos); redução de descarte de plásticos (menos resíduo orgânico descartado, menor o número de sacos plásticos usados para acondicionar) e natureza beneficiada (a produção de gás metano que ocorre no aterro é interrompida).

Etiquetas do artigo:
· · ·
Categorias de artigos:
Geral
banner

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

The maximum upload file size: 100 MB. You can upload: image, audio, video, document, text, other. Links to YouTube, Facebook, Twitter and other services inserted in the comment text will be automatically embedded. Drop file here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Bem vindo a Tribuna do ABCD

Tribuna do ABCD