out 15, 2018
323 Views
0 0

Nova proposta curricular moderniza e unifica conteúdo do ensino nas escolas municipais de Santo André

Written by

Os cerca de 2 mil professores da rede municipal de ensino de Santo André conheceram no último dia 8, as linhas gerais da nova proposta curricular que será adotada nas escolas a partir do ano que vem. O novo currículo é o primeiro que unifica os conteúdos e seus sistemas de aplicação nas escolas da cidade, e foi construído com a participação coletiva dos profissionais da Educação, em reuniões que tiveram início em 2017. O tema foi assunto de dois encontros nesta segunda-feira, realizados no Clube Atlético Aramaçan, que contaram com a presença do prefeito Paulo Serra. “Em um primeiro momento, assim que assumimos a administração da cidade, nos dedicamos à solução de questões urgentes na educação de Santo André, como implementação de uma merenda de qualidade, garantia de uniforme e material para os alunos, ampliação no número de creches, inauguração do novo Cesa no Jardim Irene. Mas paralelamente a isso tudo, o novo currículo foi discutido e formatado, garantindo também a educação de qualidade que queremos para as crianças de Santo André”, afirmou o prefeito Paulo Serra. Até agora a EJA (Educação de Jovens e Adultos), a educação infantil e o ensino fundamental tinham abordagens diferentes, e algumas escolas trabalhavam com projetos pedagógicos distintos. “Esta é a primeira vez que definimos concepção única de educação para Santo André, que vai unificar os conteúdos e a forma como serão trabalhados nas diversas etapas do ensino”, destacou a secretária adjunta de educação, Gilzane Machi. “As diretrizes do novo currículo vão oferecer um porto seguro ao professor que deseja melhorar sua estratégia de ensino”, destacou. De acordo com a secretária adjunta, a concepção que mais atende as necessidades dos alunos de Santo André, adotada depois de muito estudo e discussões, baseia-se na concepção educacional sócio-histórico-cultural do pensador Levy Vigosdky. “É um modelo de educação que, na visão dos profissionais de Santo André, é mais viável e mais indicado para as nossas comunidades, pois propõe o respeito às especificidades de cada região, por exemplo das escolas das áreas de manancial ou das que recebem refugiados, além de valorizar o conhecimento trazido por cada estudante e a partir daí dar início a aplicação do conteúdo. Além disso, essa proposta pode ser modificada com o tempo, de acordo com as necessidades detectadas pelos professores. Mas o importante é que seja um documento com validade, que independa de quem está à frente do governo”, afirmou Gilzane Machi.

Article Categories:
Santo André

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.