banner
ago 17, 2021
551 Visualizações
0 0

Intolerantes ao glúten pedem atenção do comércio local

Escrito por
banner

Sair de casa para comer sem se preocupar com restrições no cardápio é uma realidade para a maioria das pessoas. No entanto, existem exceções, que também merecem respeito e atenção, como os celíacos, indivíduos intolerantes ao glúten, proteína presente em vários cereais, como o trigo e a cevada. Ação de uma família de São Caetano, que se viu sem alternativas para levar a filha a restaurantes, alertou o Sehal (Sindicato das Empresas de Hospedagem e Alimentação do Grande ABC), que começará a instruir estabelecimentos da região a terem mais cuidado com este público.

Presidente do Sehal, Beto Moreira destacou a atitude de Rosângela, que procurou o sindicato para alertar um problema que diversas pessoas enfrentam na região, sobretudo em shoppings, que não têm espaços específicos ao público. “Achei muito bom o Sehal ter sido procurado por essa senhora. Isso mostra que o nosso trabalho chega até mesmo naquele que não é o nosso representado legalmente. E, além disso, também evidencia que a entidade pode e deve trabalhar junto com a sua base de bares e restaurantes para também atender às necessidades de públicos específicos, e mesmo aqueles que optarem por refeições diferenciadas como os veganos e vegetarianos”, frisou.

A INTOLERÂNCIA
Há diferença entre ser celíaco ou intolerante à proteína. O endocrinologista Márcio Krakauer e a nutricionista especializada em nutrição materno infantil, clínica e ortomolecular Juliana Fagiani explicaram que a pessoa celíaca é aquela que possui a doença autoimune, genética, e que se descobre através de exames clínicos e laboratoriais, como de sangue e biópsia do intestino.

A gravidade do problema pode, por exemplo, causar anemia, osteoporose, perda ou ganho de peso excessivos, e deficit no crescimento infantil. Já o intolerante ao glúten nem sempre tem o diagnóstico celíaco, e é avaliado clinicamente devido aos sintomas e, às vezes, cortando a alimentação específica por uma semana descobre-se que o mal-estar pode estar relacionado aos alimentos.

Embora seja agressiva, nem sempre é fácil identificar a doença e a intolerância ao glúten. Normalmente, os sintomas aparecem na primeira infância, devido à introdução de alimentos farináceos, mas há quem só descubra na vida adulta. Juliana explicou que os sintomas acabam confundindo as pessoas, já que, além de alterações intestinais, há quem tenha erupções cutâneas, aftas, refluxo ácido e dor nas articulações, entre outros. “É importante que um paciente com muitos desses sintomas tenha atendimento de uma medicina integrativa para se ter esse diagnóstico”, destacou a especialista.

Experiência caseira vira negócio

O que era apenas uma experimentação caseira tornou-se “uma missão de vida”. É assim que o casal Vanessa Dellabarba, 43 anos, e Anderson Muniz, 40, descrevem o nascimento do Pandafit, restaurante, pizzaria e padaria sem glúten em São Caetano.

Ex-mecânico, Anderson começou a fazer pães em casa e, um dia, com farinha sem glúten, após três tentativas erradas e uma certa, levou a fornada aos amigos da academia. O pãozinho com batata-doce fez sucesso e a produção caseira do alimento passou a ser um negócio. “Mas começamos a receber mensagens de pessoas pedindo para que a gente continuasse, porque o pão tinha salvado o café, o lanche, coisas assim”, contou Vanessa, que era professora de inglês.

O casal começou a produzir alimentos sem lactose, açúcar, carboidratos, veganos, funcionais e atender todos os públicos que têm, ou optam por ter restrições. Hoje, o Pandafit não tem nenhum alimento com glúten, e oferece padaria, pizzaria e restaurante. “É nosso propósito ajudar essas pessoas. Nossa intenção é crescer, e levar a marca para outras cidades e shoppings, porque queremos manter a inclusão alimentar que, por ser um público restrito, quase não tem investimento no setor”, vislumbrou Anderson.

Etiquetas do artigo:
· ·
Categorias de artigos:
Geral
banner

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

The maximum upload file size: 20 MB. You can upload: image, audio, video, document, text, other. Links to YouTube, Facebook, Twitter and other services inserted in the comment text will be automatically embedded. Drop file here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Bem vindo a Tribuna do ABCD

Tribuna do ABCD